fbpx

Desalma – nova série sobre Bruxas no Globoplay

Já faz algum tempo que o Globoplay vem investindo em produções próprias e gringas de muita qualidade. E agora traz Desalma, um thriller eletrizante que…

by 

Já faz algum tempo que o Globoplay vem investindo em produções próprias e gringas de muita qualidade. E agora traz Desalma, um thriller eletrizante que conta a história de uma cidade rodeada por suspense e mistérios.

*texto sem spoilers, os fatos citados aqui podem ser encontrados nas sinopses da série e de cada episódio* pode ler sem medo se você ainda não assistiu!

Uma das minhas mitologias preferidas sem dúvidas é sobre Bruxas. No entanto, apesar de existirem muitas obras fantásticas sobre esses seres mitológicos, poucas são as séries sobre o assunto que vingam.

Quando assisti na Globo, o trailer de Desalma, logo me interessei. O que mais atraiu a minha atenção foi o fato de ser uma série brasileira, com uma atmosfera completamente diferente do que estamos acostumados a consumir por aqui.

Desalma – sinopse

Na série, conhecemos a cidade de Brígida. Uma cidade brasileira, colonizada por ucranianos. E em Brígida, conhecemos a Noite de Kupala, ou como é repetidamente dita na série festa de Ivanà-Kupala. Uma festa pagã, que foi banida da cidade de Brígida após uma tragédia acontecida há 30 anos.

festa de kupalo - desalma

Logo de início, nos deparamos com Román (Nikolas Antunes), um personagem enigmático que comete suicídio logo nos primeiros atos. A partir desse acontecimento a história começa a se desenrolar.

Sua esposa Giovana (personagem de Maria Ribeiro), se muda para a cidade de Brígida com suas duas filhas, Melissa (Camila Botelho) e Emily (Juliah Mello). O que elas não esperavam era encontrar uma cidade repleta de mistérios. E conhecer os segredos mais obscuros de Román.

Personagens de Desalma

A história também gira em torno do assassinato de Halyna (Anna Melo), filha de Haia (Cássia Kiss), a bruxa da cidade. Morta na última festa de Ivanà-Kupala comemorada na cidade.

desalma halyna e haia
Halyna (Anna Melo) e Haia (Cássia Kiss)

E de Ignes (Cláudia Abreu), mãe de Anatoli (João Pedro Azevedo). Um garoto doce que, de repente, começa a apresentar um comportamento assustador. Deixando sua mãe preocupada com o que possa estar se passando com seu filho.

A história também se passa em duas linhas temporais. Em 1988, contando a história de um grupo de amigos – do qual Halyna fazia parte – e suas aventuras na escola. E em 2018, com esses adolescentes crescidos, casados, seguindo com suas vidas de adulto e lidando com as consequências dos acontecimentos do passado. Cada um à sua maneira.

Acertos de Desalma

De modo geral, a série funcionou bem. Mas existem alguns pontos que merecem destaques para a trama que estreou no Festival de Berlim. Confira agora os pontos fortes de Desalma.

Direção de Arte e Fotografia

Um das coisas que eu mais presto atenção durante um filme ou série é a fotografia que cada cena daria e da trama como um todo. Não que eu seja uma especialista nisso, mas gosto de observar os ângulos, os contextos. Tudo o que envolve e retém nossa atenção visual. E Desalma surpreende no quesito fotografia.

Com paisagens de tirar o fôlego, Desalma me lembrou muito um glamping que conheci Em São Francisco de Paula, no Rio Grande do Sul. E não por coincidência, já que a série foi ambientada, exatamente lá, na Serra Gaúcha.

Fato esse que só descobri enquanto escrevia esse texto – risos. Mas durante toda a série, fui invadida pela sensação de já ter conhecido aquele lugar em algum momento.

Com um clima frio, encontramos ao longo doas 10 episódios muita beleza, inclusive nas cenas mais assustadoras da série.

Estreia de uma nova autora

ana paula maia - desalma
Autora de Desalma

Acredito que Desalma, tenha ganhado uma atmosfera diferente, por ter sido escrita pela estreante na teledramaturgia Ana Paula Maia, uma escritora e roteirista brasileira, nascida em Nova Iguaçu. Que teve a ousadia de apresentar para a Globo um gênero pouco explorado na televisão brasileira, o suspense sobrenatural.

Cláudia Abreu e Cássia Kiss

Uma das personagens que mais me chamaram a atenção no trailer, quando o assisti pela primeira vez foi a personagem de Haia, interpretada por Cássia Kiss, a bruxa da cidade era a personagem mais esperada por mim. Tanto que de início não me liguei que a série era brasileira. Acreditei que ela estivesse participando de uma produção internacional.

Só quando comecei a ver de fato a série que me surpreendi com o elenco nacional. E Cláudia Abreu e Cássia Kiss são um espetáculo à parte.

Enquanto Haia, surpreende pela dor e dureza de uma mulher que perdeu o marido e a filha em tão pouco tempo. Ignes, estremece nossas estruturas por ser uma mãe tão dedicada e atenta.

Mitologia

Já disse que sou apaixonada por Bruxas né? E nesse quesito, a trama não deixa a desejar. Somos apresentadas à uma Bruxa que lê a sorte. Faz seus rituais e amuletos de proteção.

Màvkas

Além disso, conhecemos também uma criatura misteriosa, chamada Mákva, da mitologia ucraniana. Que é representada pela figura de uma moça linda e alta, com cabelo longo esparramado pelos ombros e enfeitado com flores. Sua roupa é fina, transparente, envolvendo todo o corpo. Seus olhos são rápidos e brilhantes. As mávkas parecem garotas, quando na verdade não têm corpo nem alma. Por essa razão também não têm sombras e quando correm pela grama nem uma única folha se move sob os seus pés.

A palavra “mávka” (мавка) – vem da palavra do idioma eslavo antigo “navy” (навь), que significa morte, corpo-morte. Havia uma crença de que as mávkas eram as crianças que morreram sem terem sido batizadas. Ou virgens que morreram afogadas no rio ou na cachoeira, como apresentado na série.

Deus Veles

Também apreciamos a Bruxa Haia realizando um ritual para o Deus Veles. Deus da terra, do gado, das águas, da magia e do Mundo Inferior; deus dicotômico de Perun.

Fato curioso: no dia em que a atriz Cássia Kiss gravou a cena em que Haia invoca o Deus Veles. Ela não finalizou a oração que posteriormente foi gravada em estúdio. Neste dia, às 3 da manhã, uma das cabanas de madeira do local de locação pegou fogo. Pode ter sido apenas uma coincidência e ter dado curto circuito em um dos fios da cabanas.

No entanto, a autora da série acredita que teve um dedinho de Veles, como se ele estivesse cobrando a finalização do ritual.

O poder da água

Em uma das cenas, Haia explica que pelo fato de o corpo humano ser composto 70% de água. A mesma é um forte condutor de magia. Por isso, para a eficácia de alguns rituais, eles precisam ser realizados em um local com bastante água, como cachoeiras.

Ponto fracos de Desalma

Como nem tudo são flores, também percebemos alguns pontos que precisam de melhorias em uma próxima temporada.

Elenco Jovem

De todo o elenco de Desalma, 75% é constituído por rostos novos. Fato esse que gera grande desconforto quando colocados em contraponto com atores mais experientes.

Por muitas vezes, achei a atuação de Cláudia Abreu exagerada. Mas com o passar dos episódios percebi que o que me incomodava não era o excesso e a carga emocional de Cláudia Abreu, mas sim a falta de tais emoções no restante do elenco.

O texto um pouco duro e explicativo demais – próprio da literatura – não ajudou nenhum pouco o desenvolvimento das cenas.

anatoli - desalma
Anatoli (João Pedro Azevedo)

EXCEÇÃO: do elenco jovem, o menino João Pedro Azevedo nos causa arrepios com sua expressão fria e seu olhar perturbador. Em alguns momentos, chegamos a sentir raiva de Anatoli, personagem vivido por João Pedro. Por seu comportamento esquisito e aterrorizante.

Nenhuma diversidade

Eu não gosto de ser a “chata do rolê“, mas toda vez temos que dizer que tá faltando diversidade no pedaço!

Desalma surpreende por não haver a aparição de uma pessoa negra sequer. Nem no quadro de funcionários de qualquer um dos ambientes: escola, fábrica.

Tudo bem que estamos falando de descendentes de ucranianos, no entanto até a família de Román – que vivia em São Paulo é tão branca quanto o restante dos personagens.

Mini-spoiler: Apesar da falta de personagens negros ou de outras etnias, a série aborda um tema polêmico: relacionamento homoafetivo.

Episódios arrastados

Senti um pouco de falta de episódios mais eletrizantes. Com menos diálogo e mais ação. Com uma pegada de ação e susto mais fortes.

No entanto, encontramos nos primeiros capítulos, episódios arrastados que são quase difíceis de continuarem sendo assistidos.

Com o desenrolar da trama, acabamos deixando o tédio de lado e ficamos ligados na história que é envolvente. Mas é difícil “engatar” e se manter sedento pelo próximo episódio durante as primeiras horas.

Considerações finais sobre Desalma

E u fiquei muito satisfeita com a série de modo geral. Fiquei irritada algumas vezes com tantas explicações, atuações ruins e a falta de ação de algumas cenas.

Também senti que ficaram muitas pontas soltas – o que pode ser bom, já que a série já ganhou sinal verde para uma segunda temporada.

Mas de modo geral, eu gostei muito da forma como a história foi apresentada e espero que seja um sucesso. E não mais uma série de bruxa engavetada por falta de audiência. Eu maratonei a série e um dia e meio, pois são apenas 10 capítulos de 40 minutos cada (média). E tô muito animada para continuar acompanhando o desfecho dos moradores de Brígida.

Assista ao trailher da série

Você já assistiu Desalma? O novo thriller de terror do Globoplay? Me conta aqui nos comentários o que está achando da série? E o que espera da segunda temporada!

Aproveita também para nos seguir no Instagram @sejaceo | E entrar em nosso canal do Telegram.

One comment

Comente a sua dúvida

%d blogueiros gostam disto: